Hospital Vera Cruz - Dor torácica

Dor torácica

16 Apr - Bem estar

Dor Torácica

​O que é?

Dor torácica é a sensação de dor ou desconforto , localizada na região anterior do tórax. 

 

Frente a um sintoma de dor, devemos definir os seguintes aspectos: localização, irradiação, característica, duração, fatores precipitantes, fatores que melhoram e pioram a dor e, ainda, os sintomas associados.

 

Localização:

 

A dor de origem cardíaca causada pela doença arterial  coronariana (angina do peito ou infarto do miocárdio) é localizada na região central do tórax (retroesternal) ou difusa, podendo irradiar-se para outras áreas.

 

A dor de origem cardíaca pode se manifestar apenas em seus possíveis locais de irradiação. Quando  falamos em dor torácica de origem cardíaca, subentende-se toda uma área de possível de irradiação, que vai desde a mandíbula até o umbigo, incluindo ambos os braços, a região posterior do tórax, o pescoço, a mandíbula e a boca do estômago. Uma dor torácica anterior, irradiada para ambos os braços, é altamente sugestiva de uma origem coronariana.

 

Característica:

 

A dor torácica coronariana é difusa e percebida como um aperto, opressão, pressão ou queimação. A dor torácica, referida como pontadas ou agulhadas, raramente tem origem coronariana.

 

Duração:

 

A dor da angina do peito costuma durar de 5 a 20 minutos. Uma dor torácica com características de doença arterial coronariana, mas com duração superior a 20 ou 30 minutos, sugere infarto do miocárdio. 

 

A dor torácica que dura segundos ou horas ou ainda,  é  intermitente (aparece e desaparece várias vezes ao longo do dia), raramente tem como origem a doença arterial coronariana.

 

Fatores precipitantes

 

A dor torácica coronariana costuma ser precipitada pelo exercício físico, estresse emocional ou após uma refeição mais pesada e de difícil digestão.

 

Fatores de melhora e piora

 

A dor torácica coronariana não costuma ter fator de piora, como a palpação do tórax, respiração profunda, mudança na posição do corpo ou movimentação dos braços.  

 

Costuma aliviar espontaneamente  com o repouso ou com o uso de nitratos (vasodilatadores coronarianos).

 

Sintomas associados

 

A dor torácica coronariana poderá estar acompanhada de falta de ar (dispneia), sudorese, náuseas e vômitos (indicativos de infarto do miocárdio), palpitações e palidez. 

 

A presença de tosse, febre, azia  e outros sintomas, podem sugerir outras causas para a dor torácica, com doenças respiratórias ou do aparelho digestivo.

 

Causas

 

  • Aneurisma de aorta 
  •  Pneumotórax 
  • Derrame pleural 
  • Embolia pulmonar 
  • Pneumonia 
  •  Refluxo gastroesofágico 
  • Pericardite (inflamação do pericárdio) 
  • Tumores do pulmão ou mediastino 
  •  Esofagite (inflamação do esôfago)
  •  Espasmo do esôfago.
  • Hipertensão pulmonar
  •  Costocondrite (inflamação das cartilagens que ligam as costelas ao osso esterno)
  •  Lesões nas costelas.
  • Lesões musculares.
  • Artrite 
  • Fibromialgia 
  • Herpes zoster
  • Artrite reumatoide

Além dos órgãos e tecido do tórax, algumas vezes problemas em órgãos do abdômen podem também causar dor torácica, entre eles:

 

  • Colecistite 
  • Gastrite e úlcera péptica 
  •  Pancreatite 

 

Diagnóstico e tratamento

 

A dor torácica é uma condição que requer avaliação médica para dignóstico e tratamento adequados. 

 

Procure ajuda médica imediata se: 

 

  • Sentir pressão, aperto ou dor no peito repentina e intensa
  • A dor no peito se irradiar para a mandíbula, braço esquerdo ou entre as escápulas
  • Você tiver náusea, tontura, suor, taquicardia ou dificuldade respiratória
  • Você souber que tem angina e a dor no peito se intensificar de repente, ou se a dor for causada por atividades mais leves ou durar mais do que o usual
  • Seus sintomas de angina ocorrerem quando você estiver em repouso
  • Você tiver uma dor repentina e aguda no peito, com dificuldade para respirar, principalmente depois de uma viagem longa, de um período de cama (por exemplo, após uma cirurgia) ou de outra falta de movimentação, principalmente se uma perna estiver inchada ou mais inchada do que a outra (isso poderia ser um coágulo sanguíneo).

Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia