Hospital Vera Cruz - Deformidades congênitas dos membros inferiores devem ser tratadas desde a infância

Deformidades congênitas dos membros inferiores devem ser tratadas desde a infância

22 Aug - Bem estar

Vai longe o tempo em que a única solução possível para as deformidades congênitas de pernas e pés era a amputação. Com a evolução da Medicina e, especialmente da Ortopedia, especialidade que trata esses casos, há uma variedade de tratamentos e técnicas cirúrgicas disponíveis para que o paciente tenha a funcionalidade dos membros inferiores.

Segundo o ortopedista pediátrico, especialista em cirurgia reconstrutora e coordenador da equipe de Ortopedia do Hospital Vera Cruz, Marcelo Sternick, essas deformidades congênitas são má-formações do aparelho locomotor que, em alguns casos, podem ser detectadas na ultrassonografia, durante a gestação, como ausência de ossos e disfunções mais grosseiras, como é o caso do pé torto congênito. Em outros, o problema fica evidente após o nascimento”, explica.

O ortopedista explica que entre as deformidades mais graves estão ausências de algum dos ossos dos membros inferiores, como os casos de hemimelia fibular e tibial, defeitos congênitos no fêmur (fêmur curto congênito) e os encurtamento de membros, que podem ficar entre 20 e 30 cm menores que a média normal. Nesse grupo também estão as alterações angulares e rotacionais.

“A maioria dos pacientes, em algum momento da vida, tem que fazer uma ou várias cirurgias de reconstrução. Hoje, as técnicas cirúrgicas de reconstrução, com fixadores externos de materiais cada vez melhores e mais leves ou que podem ser programados pelo computador, especialmente confeccionados para crianças, têm garantido resultados positivos funcionais e estéticos”, garante.

Os tratamentos disponíveis são variados. Em alguns casos, começam nos primeiros meses de vida. Em outros, no período do início da marcha, quando a criança apresenta alguma dificuldade para andar. “Os pais devem ficar atentos porque, em alguns casos, o problema não é diagnosticado rapidamente por um especialista”, justifica.

Nos casos leves ou moderados, é possível adiar o tratamento para até seis ou sete anos ou para após o período de crescimento da criança, entre os 14 e 16 anos, para meninas e meninos respectivamente. “O importante, nesses casos, é que a família procure um especialista e participe do tratamento ativamente, para acompanhar o processo de evolução”, destaca o médico.

Próteses

Segundo Sternick, a amputação hoje é usada para casos bem específicos e o membro é substituído por próteses que são importadas e bastante caras. O equipamento, geralmente importado, não é coberto pelos planos de saúde e, em se tratando de crianças, deve ser substituído durante o processo de crescimento, de tempos em tempos, até que o paciente “ganhe” um membro mecânico definitivo.

 

Para os adultos que, durante a infância, não tiveram acesso a tratamentos para deformidades congênitas dos membros inferiores, o médico afirma que há possibilidades de correção dos problemas. No caso de encurtamento de membros, a técnica de alongamento de ossos é muito eficiente.

Agende sua consulta com nossos especialistas acessando hvc.com.br ou pelo Whatsapp (31) 3337-1000

 

Fonte: Portal Medicina e Saúde , entrevista concedida em agosto/19